Home » Produtividade » Seja preguiçoso para crescer na vida!

Seja preguiçoso para crescer na vida!

Apesar de ser identificada como um dos sete pecados capitais, a preguiça pode ser utilizada como um incrível combustível para você se tornar cada dia mais eficiente!

Preguiça

Onde trabalho, temos clientes que devem ser atendidos em regime de plantão. Isso significa que para estes clientes não importa se é sábado, domingo ou feriado: nós temos que atendê-los (são clientes que possuem sistemas críticos e que realmente demandam tal nível de atenção).

Visualize, então, a seguinte cena: sábado à tarde, frio de inverno, chuva forte lá fora, você sentado no sofá, coberto pelo edredom… e o cliente liga. Um pico de energia parou o sistema dele. Como responsável pelo sistema, você tem que atravessar a cidade para reiniciá-lo manualmente.

A pergunta de “um milhão de dólares” aqui é: há outra forma de resolver esta questão? A partir dessa pergunta é possível dividir as pessoas em três grupos:

1. Pessoas com disposição “fora do normal”

As pessoas com uma disposição fora do normal não se fazem esta pergunta. Estas pessoas se levantam com a naturalidade de quem já fez isto várias outras vezes, com o pensamento de que “essa é a vida”, “essa é minha obrigação”, ou até empolgadas para resolver o problema… e esquecem de procurar alternativas!

2. Pessoas normais

As pessoas normais se perguntam se há outro caminho, se é possível resolver a questão de outra forma. Afinal de contas, elas também não querem sair de casa no final de semana, principalmente se está frio e chovendo!

No entanto, são pessoas que gastam pouca energia procurando uma resposta para a pergunta. Possuem mais preguiça de pensar do que de agir. É mais fácil resolver da forma que já conhece (ir ao cliente) do que gastar o tempo criativamente tentando descobrir novas formas, novos caminhos.

As pessoas deste grupo descobrem que não tem uma solução pronta, fácil, e desistem rapidamente. Estas, assim como as do grupo anterior, acabam levantando do seu sofá e indo, inconformadas, até o cliente.

3. Pessoas “preguiçosas”

O grupo dos “preguiçosos” possui uma chama mais forte. Estas pessoas simplesmente “não admitem” ter que realizar uma tarefa tão desgastante.

Uma pessoa realmente “preguiçosa” não vai simplesmente pensar em como fazer pra não precisar sair de casa. Ela vai se matar de pensar em como fazer pra não sair de casa! Serão ideias atrás de ideias, uma mais maluca que a outra, até encontrar alguma solução que faça mais sentido e possa ser testada.

A pessoa “preguiçosa” pode até, desta vez, sair de casa e ir resolver o problema do cliente. Mas ela vai passar todo o caminho de ida e volta “matutando” em como evitar que isto aconteça novamente!

A “preguiça” aqui, acompanhada por um grande senso de responsabilidade, estará servindo como um incrível combustível para intensificar o uso da criatividade.

 

Veja que a preguiça que realmente atrapalha é a preguiça de pensar. A pessoa do grupo 1 (que generalizei como pessoas com disposição “fora do normal”) não gasta tempo pensando, parte rapidamente para a ação! Ela não tem problemas em agir! Enquanto isso, a pessoa do grupo 2 é preguiçosa o suficiente para procurar uma “alternativa”, mas não investe o tempo necessário para encontrar a solução.

Conheço pessoas que atravessam a cidade para realizar atividades que poderiam ser feitas por telefone, e-mail, ou outros. São pessoas incrivelmente dispostas a agir, mas que podem acabar ficando pra trás por serem ineficientes.

Conheço também vários técnicos que são super dispostos: toda semana se deslocam incansavelmente ao cliente para resolver o mesmo problema! Pense o quanto este técnico ganharia se fosse “preguiçoso” o suficiente para gastar tempo pensando em como solucionar o problema de vez, simplesmente para não precisar mais ir semanalmente ao cliente!

A “preguiça” pode ser um combustível incrível se utilizada “para o bem”, como uma grande força motivacional para simplificar sua vida. É importante, no entanto, lembrar que a “preguiça” tem que estar acompanhada de um grande senso de responsabilidade, senão ela será apenas preguiça (a simples e indesejada preguiça que, por si só, nunca vai te fazer crescer na vida).

Pense um pouco: você tem utilizado a “preguiça” para o bem? Em quais situações você se lembra de a sua criatividade ter sido impulsionada pela “preguiça”? Comente!

Comente!

Posted in Produtividade
  • Lília Félix

    Rafael, morri de rir com o seu texto, pois você o fez ficar engraçado.

    Você está corretíssimo, mas infelizmente, a maioria dos preguiçosos que conheço não usam a a “preguiça” para o bem. Ela não vêm acompanhada do senso de responsabilidade, é somente a simples e indesejada preguiça.

    Mas vou dar um jeito de enviar o link do seu blog pra eles (quem sabe, dá jeito!!).

    E não vou esquecer de usar minha “preguiça” pra impulsionar minha criatividade.

    Adorei o texto!!

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Infelizmente a maioria dos preguiçosos que eu conheço e que deveriam ler o post, não vão ler :)

  • Nessa

    Adorei esse post!!! hahaha
    Na verdade para cada situação podemos ter uma reação de preguiça diferente, tudo vai depender da motivação!!! Mas ainda bem que preguiça mental eu não tenho, pensar em formas e soluções diferentes é comigo mesmo!!!

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Está na hora de usar a criatividade pra ganhar dinheiro, Nessa! :)

      • Nessa

        Vamos primeiro investir nos estudos!! hahahah

  • http://www.facebook.com/lucia.villela.3 Lucia Villela

    Muito bom o seu texto, mas no caso dos técnicos, se eles resolverem o problema de vez, ficam sem emprego. E se você é tão eficiente a ponto de antecipar e resolver todos os problemas do seu trabalho antes deles surgirem, seu cliente vai achar que não precisa de você. É um paradoxo!!! As pessoas pensam que as coisas funcionam sozinhas. Não percebem quando você se antecipa aos problemas.

    Inteligência é coisa rara!!

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Talvez seja um paradoxo em alguns casos… mas se trabalhasse com um técnico que resolvesse os problemas de vez não ia deixar ele ir embora nunca! Problema é o que não falta!
      Pra você ter uma ideia, existem empresas nos EUA que pagam por hora parada, ou seja, se ele estiver tendo que concertar algo, não recebe!

      • http://www.facebook.com/monique.cruvinel.5 Monique Cruvinel Strassburger

        Adorei! quero ir para essa empresa! rs rs

        Parabéns pelo blog Rafa, tá muito legal! vou aparecer mais vezes!

  • Priscila Alvim

    Mais uma vez muito bom o texto!! Parabéns!!

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Obrigado Pri!

  • Viviane Belarmino

    Rafa, parabéns! Adorei o texto!

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Valeu Vivi!

  • http://twitter.com/bcaliforniana Barbie Californiana

    O problema é que a preguiça nunca é usada para o bem… o bom preguiçoso, no sentido irônico (risos), cria desculpa até aonde não existe dificuldade, Rafael. Parabéns pelo texto. Abraços e tudo de bom!

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Obrigado Barbie, abraços!

  • http://www.facebook.com/flavia.danigno Flávia Danigno

    Rafa, a gente conversa muito sobre as suas ideias (e as minhas também) e, por isso, eu costumo seguir quase todas no meu dia a dia… Maass, ta aí uma que eu dificilmente sigo! =/

    Confesso que sou um pouco preguiçosa (no sentido ruim da palavra) ou talvez ansiosa demais para procurar uma solução mais rápida e eficaz do que a solução óbvia (me refiro como óbvia aquela normalmente mais trabalhosa). O problema é que eu não encontro tempo no meu dia a dia para parar e pensar um pouco em soluções melhores… Eu sei que isso é ilusório, porque, na prática, acabarei gastando ainda mais o meu tempo com aquele problema do que se eu tivesse parado um pouco para refletir sobre sua solução.

    Essa semana, “perdi” duas horas de trabalho para participar de uma reunião que tinha o objetivo de buscar meios mais eficazes na atuação da Defensoria (e de outros órgãos) em um determinado pólo da nossa atribuição. A reunião foi super proveitosa e eu acho que trará resultados significativos e que diminuirão muito o meu trabalho! Ta aí uma prova de que tudo o que você falou nesse post é verdade!

    Eu já tenho a consciência disso, falta torna-la mais forte do que minha ansiedade.. Difícil, viu? rs

    • http://rafaeldanigno.com.br/ Rafael Danigno de Paula e Silv

      Esse é o problema: partindo rapidamente pra ação acabamos não pensando muito sobre ela…
      E é claro que eu também não faço isso sempre. Falar é muito mais fácil que fazer, né?

  • Pingback: Faça certo, o certo! | Rafael Danigno()

  • Rodrigo

    Eu conheço esse preguiçoso que precisou sair de casa para resolver esse problema……